[ Principal - Artigos - Legislação - UNIP - Aulas - Links ]

DORT - A doença da era moderna

Denise Rasia

            As atividades modernas são muito pobres em movimentos. À medida que evolui, o trabalho torna-se mais dependente da técnica, o que aumenta de forma assustadora o número de acidentes e doenças profissionais1. Cada profissão tem implicações características que podem trazer àqueles que a exercem patologias específicas, as doenças ocupacionais. Certas atividades exigem dos trabalhadores a ação dos mesmos grupos musculares por meses ou anos a fio podendo levar ao desenvolvimento de lesões.
            O ser humano necessita de condições ambientais favoráveis, de nutrição física e afetiva, de manutenção satisfatória e de boa relação com o trabalho. O bem-estar e a produtividade dependem das condições físicas e da relação das pessoas entre si e com o trabalho. Boa parte da vida de todos os seres humanos adultos está envolvida com o desenvolvimento de sua atividade profissional.
            A Organização Mundial de Saúde – OMS – ressalta que o ambiente, as estruturas básicas e o desempenho no trabalho têm participação significativa na instalação das doenças associadas ao trabalho3. Esses distúrbios relacionados ao trabalho causam inicialmente dor, e podem evoluir, se não diagnosticados, para a incapacidade de realizar movimentos, de forma temporária ou mesmo permanente4.
            O índice de DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) vem crescendo exageradamente nos últimos anos, tendo como principais causas fatores biomecânicos, organizacionais no trabalho e sociais. Devido a esta realidade, se faz cada vez mais necessário assegurar a energia e o compromisso das pessoas com novas formas de trabalho e de comportamento, estimuladas por um ambiente de trabalho excitante, recompensador e envolvente. Um componente importante desta estratégia é incentivar as pessoas a uma nova cultura de hábitos saudáveis, tornando-as capazes de condicionarem-se e permanecerem fisicamente capazes para a realização de suas atividades laborativas na sua vida diária23.
            A atuação da fisioterapia nas empresas cresce a cada dia, devido à descoberta, pelos empresários, da importância de investimentos em ações preventivas nas suas empresas, para o combate de doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho. Companhias no mundo gastam milhões de dólares por ano na manutenção preventiva de suas máquinas, sendo o feito um investimento muito menor nos funcionários23.
            A ginástica laboral tem ganho destaque no Brasil nos últimos 02 anos, sendo utilizada dentro do conjunto de medidas que visam prevenir o aparecimento de lesões músculo-ligamentares ligadas às atividades desenvolvidas no ambiente de trabalho. Esse tipo de programa é um importante instrumento formativo e educativo, pois funcionários treinados e adaptados, ergonomicamente, executam as tarefas laborativas diárias com menor dispêndio energético, diminuindo o risco de lesões ocupacionais, o que acarreta também um aumento qualitativo e quantitativo do trabalho.
           
A prevenção de lesões osteomusculares e articulares é o fator diferencial para o sucesso das organizações, ambiente de trabalho adaptado ergonomicamente com trabalhadores saudáveis e preparados para as solicitações musculares diárias, refletirão beneficamente no desempenho da empresa e na qualidade de vida dos seus trabalhadores.
            Formular um programa preventivo e reabilitador personalizado para cada setor da empresa, com base no levantamento dos pontos críticos de cada um, visando a diminuição do número de afastamentos por DORT, a melhora na qualidade do ambiente de trabalho com conseqüentemente o aumento da produtividade.

 

 

 



 

Denise Rasia
Fisioterapeuta